segunda-feira, 23 de agosto de 2010

O Choque.

De tempos em tempos nos chocamos. Nos chocamos pois não conseguimos enxergar além do nosso umbigo, a realidade ali, vizinha a nós é muito mais gritante do que o que imaginamos.

Acho que nós temos em nosso ser aquela máxima do conforto, da nossa zona de conforto e tudo que sai um pouco disso acaba por nos chocar.

Eu vejo histórias de vida, eu ouço os contos e fico pensando como eu pude nunca parar e olhar para mim e os meus e agradecer a Deus por termos todos uma condição de vida confortável e não digo isso apenas materialmente falando.

Por exemplo, conheço pessoas que são diabéticas que sofrem muito com a doença, perdem visão, perdem membros do corpo e meu pai que é um diabético graças a Deus nem insulina precisa tomar... vejo que nós somos pequenos diante do mundo, diante de Deus.

Deus nos mostra um monte de pequenas coisas qeu poderíamos mudar em nós e a nossa volta, mas que muitas vezes não nos damos conta. Ou porque não é escancarado o suficiente ou porque simplesmente somos fragéis. Temos a fragilidade absurda para nos dar conta do que acontece a nossa volta... as vezes nos fechamos como uma pérola em sua concha para ser "mais fácil", agora que facilidade é essa que estamos buscando eu não sei. Mas buscamos sempre o caminho fácil.

Eu tenho por hábito orar e agradecer a Deus pelas conquistas, pelas vitórias, pelas coisas boas que Deus me deu, e ontem o fiz novamente, agradeci a Deus pela minha família, pelo meu filho saudável, pela minha própria saúde, e também fiz um pedido...

Deus, coloca juízo na minha cabeça.

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

A fala.

Eu adoro falar... falo pelos cotovelos e na verdade isso é genético porque quase todos são assim na família.
Mas ultimamente tenho tentado ouvir mais que falar, afinal Deus nos deu duas orelhas e uma boca só. E isso tem me feito bem.
Com essa coisa de falar menos e ouvir mais tenho percebido as palavras das pessoas e por vezes o que está por trás daquela fala.
Às vezes acabamos nos magoando com alguma coisa aqui, outra ali... mas nada grave nada que vá nos derrubar.
Eu prezo a minha conduta, quero ter uma conduta reta e certa..... as atitudes dos outros não me diz respeito... claro que se alguém me perguntar eu falo o que penso, mas não posso impedir alguém de falar/fazer/pensar.

Nós temos que nos valorizar como pessoas, como cerébro, temos que estudar, temos que evoluir, temos que nos dar no sentido de ajuda, se não for pra ajudar não podemos atrapalhar.

Ontem eu vi o filme do Chico Xavier, e até cheguei a senti um pouco de vergonha por mim. Por vezes me pego reclamando de algo, ou então me achando muito boa... e daí vi que não sou nada perto do que eu poderia ser... e quero muito caminhar pra isso, pra EVOLUÇÃO.

Quero falar menos, ouvir mais, perceber melhor e ajudar quem precisar.